segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Sócia do IHGM recebe homenagem internacional e é eleita para o IHGSC



A Promotora de Justiça e escritora Ana Luiza Almeida Ferro, sócia efetiva do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão e membro fundador da Academia Ludovicense de Letras (ALL), participou da cerimônia de premiação do Latin American Quality Institute (LAQI), na cidade do México, no dia 24 de novembro, ocasião em que foi homenageada com um troféu, uma medalha e certificados, "pela promoção da cultura da qualidade", bem como "por suas altas qualidades profissionais e por seus méritos literários e impecável trajetória como escritora". A entidade tem como objetivo semear e apoiar iniciativas em 19 países, que se caracterizem por uma cultura de qualidade, excelência e responsabilidade social, premiando líderes profissionais, empresas e empresários latino-americanos. Nesta edição, foram premiados profissionais e organizações do Brasil, Argentina, México, Chile, Peru, República Dominicana, entre outros países. Também recentemente a escritora foi eleita para a Cadeira nº 12 da Academia Maranhense de Letras (AML), que já foi ocupada por Odylo Costa, filho, entre outros, e teve seu nome indicado e aprovado para integrar o quadro de associados do tradicional Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina (IHGSC), fundado em 1896. Sua posse na Academia Maranhense de Letras (AML) está marcada para o dia 06 de abril de 2017.
 
 

sábado, 3 de dezembro de 2016

Manuscritos da Câmara de Alcântara datados dos séculos XVIII e XIX serão restaurados com apoio da Secti



Com o objetivo de contribuir com o processo de recuperação da memória histórica do Maranhão, a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) vai financiar o restauro de três livros manuscritos da Câmara de Alcântara datados dos séculos XVIII e XIX. A recuperação desses importantes documentos é resultado de um termo de cooperação técnico-científico firmado entre a Secti e o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM) que tem como objetivo fomentar a pesquisa e a ciência no estado.

Na manhã desta sexta-feira (2), os exemplares foram entregues à chefe do Arquivo Público do Estado do Maranhão, Maria Helena Pereira Espíndola, pelo secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, Jhonatan Almada, e pelo presidente do IHGM, Euges Lima, para que seja iniciado o trabalho de restauro. A partir da restauração, o IHGM pretende também digitalizar os documentos, transcrever e publicá-los para que mais pessoas possam ter acesso aos conteúdos dos documentos.

“São livros que retratam um período muito significativo da história do Maranhão e dizem respeito aos códices da Câmara de Vereadores de Alcântara. Com a restauração, a secretaria contribui com o processo de recuperação da história do Estado”, observou o secretário.

O presidente do IHGM destacou que o momento de entrega dos livros para restauração é muito simbólico para o instituto que há dois anos vinha tentando viabilizar a restauração desses manuscritos. “Só agora isso está sendo possível e este ato de hoje concretiza essa luta. Isso só foi possível graças ao convênio firmado com a Secti que está financiando os custos dessa restauração”, contou Euges Lima. “São documentos importantes para que se possa tentar reconstruir a história da cidade de Alcântara”, acrescentou o presidente.

Maria Helena Espíndola também destacou o valor dos documentos. “Com certeza são livros que têm informações importantes sobre a história do município”, disse a chefe do Arquivo Público explicando que os recursos provenientes da cooperação com a Secti serão utilizados na contratação de um restaurador e na compra do material necessário para o restauro com o papel japonês que custa em media R$ 40,00 a folha e cola metil, utilizados frequentemente em procedimentos de conservação e restauração em acervos de muitos museus. “Dentro de três meses esses documentos estarão restaurados”, contou.


Três livros manuscritos, datados dos séculos XVIII e XIX foram encontrados pela primeira vez na cidade de Viana (MA) pelo historiador Antônio Lopes, ainda na década de 1930, cuja vasta pesquisa culminou na produção do livro “Alcântara – Subsídios para História da Cidade”. O IHGM é a instituição cientifica mais antiga do Estado do Maranhão, fundado em 1925. 



Adaptado do Site da Secti/MA

domingo, 20 de novembro de 2016

IHGM comemora seus 91 anos de fundação



São Luís – Na última sexta-feira(18), à tarde, o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão(IHGM), realizou a Sessão Magna Comemorativa dos seus 91 anos de fundação. Fizeram parte da mesa de abertura, o Vice-presidente, professor José Augusto Silva Oliveira, o Presidente, professor Euges Lima e a decana, professora Eneida Vieira da Silva Ostria de Canedo.

O Presidente Euges Lima, fez a abertura oficial da solenidade, destacando a tradição e a capacidade do IHGM em resistir às adversidades e de permanecer contribuindo ao conhecimento da história e geografia do Maranhão. Estiveram presentes vários sócios e convidados. Após as falas dos membros da mesa, foi franqueada a palavra para os demais sócios e convidados, onde foram feitas manifestações de reconhecimento ao trabalho desenvolvido pela atual gestão, no sentido de melhoramento da estrutura física da sede, além da projeção e divulgação do Instituto na sociedade maranhense, por meio de vários eventos acadêmicos promovidos pela entidade.

A sócia efetiva, Eneida Vieira da Silva, destacou o grande trabalho realizado pela atual gestão César Marques, afirmando já ser uma das melhores do IHGM de todos os tempos. O sócio honorário José Fernandes, também fez uso da palavra e disse que estava há algum tempo sem poder comparecer, mas ficou muito contente em ver as melhorias realizadas e percebidas e a reforma e ampliação da Biblioteca e seu acervo. Encerrada a sessão, foi cantado os parabéns,  cortado o bolo e oferecido um coquetel.

91 anos de história

No dia 20 de novembro de 1925 por iniciativa de Antônio Lopes, foi fundado o Instituto de História e Geografia do Maranhão, que depois passou a chamar-se Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), cujo primeiro presidente foi o Dr. Justo Jansen Ferreira. O objetivo era criar uma sociedade científica que coordenasse os estudos e pesquisas nas áreas de história, geografia, etnografia, etnologia e arqueologia do Maranhão. O IHGM é considerado a primeira instituição cientifica do Estado do Maranhão.

A inauguração ocorreu em 2 de dezembro, em Sessão Magna, no salão da Câmara Municipal de São Luís, realizada em homenagem ao Centenário de nascimento de Dom Pedro II. Os fundadores eram um grupo de 11 intelectuais, dos mais renomados, estudiosos da história e geografia do Maranhão. Entre eles estavam: Antônio Lopes da Cunha, Justo Jansen Ferreira, José Ribeiro do Amaral, Domingos de Castro Perdigão, Wilson da Silva Soares, Benedito de Barros e Vasconcellos, Pe. Arias Cruz, Pe. José Ferreira Gomes, José Pedro Ribeiro e José Eduardo de Abranches Moura.


Um ano depois de sua fundação (1926), o Instituto Histórico publicou o número um de sua revista, a mais antiga do gênero em circulação no estado, que está completando 90 anos. Ao longo destes 91 anos, o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão publicou 45 revistas, promoveu inúmeros encontros, seminários, palestras, simpósios, contribuindo assim, para o estudo, a pesquisa e a divulgação do conhecimento histórico, geográfico e das áreas afins, além de defender e velar o patrimônio histórico e cultural do Maranhão. O IHGM é uma sociedade cientifica, formada por 60 cadeiras, possui um acervo bibliográfico e documental valioso, abrigado numa biblioteca composta de 7 mil volumes. Está situado à Rua de Santa Rita, 230, Centro.