sábado, 24 de setembro de 2016

IHGM firma convênio com a Secti



São Luís - Foi formalizado ontem (23) pela manhã, na sede do IHGM, o Termo de Cooperação Técnico-cientifico, entre o IHGM e a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação(Secti). Segundo o Secretário da pasta, Jhonatan Almada, pelo menos, três ações iniciais, esse convênio já irá permitir efetivar: publicação da Revista do IHGM, que este ano, completa 90 anos; restauração dos Códices de Alcântara e construção do site do Instituto, além de outros projetos que poderão surgir no futuro.

O presidente Euges Lima, destacou a importância da parceria, que segundo ele, irá render bons frutos, tanto para o IHGM, quanto para Secti e para sociedade maranhense como um todo. O IHGM é a instituição cientifica mais antiga do Estado do Maranhão, fundado em 1925. Estiveram presentes também no ato, vários membros da entidade, diretores e o presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias(IHGC), Arthur Almada Lima Filho. Após a assinatura do Convênio, o presidente do IHGM, convidou os presentes para visitarem o Acervo do professor José Caldeira, recentemente inaugurado. 


sexta-feira, 9 de setembro de 2016

IHGM debate fundação de São Luís, relança livro e inaugura acervo do professor Caldeira



São Luís – No último dia 6(terça), a partir das 14 horas, em sua sede, o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), com apoio do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão(Sinproesemma), realizou a mesa-redonda “Fundação de São Luís: 404 ou 400 anos?”, com o objetivo de discutir se a capital maranhense foi fundada por franceses ou portugueses, se sua fundação foi em 1612 ou 1616, tema que divide pesquisadores e historiadores nos últimos anos.

Estudantes, professores, interessados e membros do Instituto, movidos pelo interesse da polêmica histórica, compareceram e lotaram o auditório para ouvirem as versões e debates acerca da fundação da cidade de São Luís e suas controvérsias.


Participaram do debate a Profa. Dra. Ana Luiza Almeida Ferro, o Turismólogo Antonio Noberto, o Dr. Francarlos Diniz, mediador, o professor Euges Lima e a participação especial do Dr. Paulo de Albuquerque Maranhão(RJ), pesquisador, genealogista, membro do Instituto Geográfico e Histórico de História Militar Brasileiro, sócio correspondente do IHGM e 9.º Neto de Jerônimo de Albuquerque Maranhão. Os participantes tiveram meia hora cada para expor seus pontos de vistas e defenderem suas teses, em seguida, abriu-se o debate, com perguntas feitas pela plateia.

 A tese mais conhecida e difundida é da fundação francesa, considerada a versão oficial, que começou a circular no começo do século XX, a partir de estudos do professor e historiador José Ribeiro do Amaral, com a publicação do livro “Fundação do Maranhão (1912).” Ele atribuiu a fundação à expedição liderada pelo fidalgo francês, Daniel de La Touche, que tinha a intenção de explorar o Novo Mundo. Ao chegar à cidade, em 1612, os franceses participaram de uma missa celebrada por padres capuchinos, além de construírem um forte de madeira, onde hoje está localizado no Palácio dos Leões, sede do Poder Executivo Estadual.

A outra tese, a da fundação portuguesa, afirma que o início da construção da cidade só ocorreu de fato, após a expulsão dos franceses em 1616, momento em que é iniciada a colonização portuguesa, quando a cidade teria sido fundada por Jerônimo de Albuquerque Maranhão, por ordem da Corte de Madri e de acordo com o Regimento de Alexandre de Moura, deixado à Albuquerque Maranhão, inclusive, com a planta da cidade, elaborada pelo engenheiro Mor do Brasil, Francisco de Frias Mesquita.

Na sequência da programação, houve também o (re)lançamento do livro Dois estudos: Os discursos de Japi-Açu e Momboré-Uaçu e Vadiagem no Maranhão, 1800 – 1850(2004/EDUFMA), de autoria do professor José Caldeira, com a presença de sua esposa, Marlene Caldeira, que autografou os exemplares. Em seguida, foi inaugurada a sala do acervo do professor José Caldeira, nas dependências da Biblioteca Hédel Ázar, localizada no primeiro andar do prédio, ampliando consideravelmente o acervo bibliográfico originário da entidade. A formalização da doação ocorreu no mês de julho passado e é composto de mais de dois mil volumes e várias obras de arte. Registrou-se a presença da professora mestre França e seus alunos, do Centro de Ensino Médio Força Aérea Brasileira, a representante da Casa de Cultura Josué Montello, Joseane, do historiador Leandro Eulálio, do economista e funcionário do IBGE, José Reinaldo e da Professora Dra. Chefa do Departamento do Curso de História da UFMA, Maria Izabel Barbosa de Moraes, que na ocasião, estava representando a Magnifica Reitora, professora Nair Portela.







sábado, 3 de setembro de 2016

IHGM debaterá fundação de São Luís


Adaptado do Site do Sinproesemma


O Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM), com apoio do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), realizará, na próxima terça-feira (6), a mesa-redonda “Fundação de São Luís: 404 ou 400 anos?”. O evento é uma homenagem ao aniversário de São Luís e discutirá se a capital maranhense foi fundada por franceses ou portugueses, tema que divide pesquisadores e historiadores.
A principal tese é da fundação francesa, considerada a versão oficial, que começou a circular no começo do século XX, a partir de estudos do professor e historiador José Ribeiro do Amaral.

Ele atribuiu a fundação à expedição liderada pelo fidalgo francês, Daniel de La Touche, que tinha a intenção de explorar o Novo Mundo. Ao chegar à cidade, em 1612, os franceses participaram de uma missa  celebrada por padres capuchinos e, em seguida, construíram um forte na cidade, hoje localizado no Palácio dos Leões, sede do Poder Executivo Estadual.

A outra tese, a da fundação portuguesa, afirma que a construção da cidade ocorreu após a expulsão dos franceses e índios, em 1614, na Batalha de Guaxenduba, comandada por Jerônimo Albuquerque Maranhão. Em 1616, é iniciada a colonização portuguesa, quando a cidade teria sido fundada por Jerônimo de Albuquerque Maranhão, por ordem da Corte de Madri.

Segundo o presidente do IHGM e diretor de Cultura do Sinproesemma, Euges Lima, essa controvérsia deverá agitar os debates na próxima terça, 6, a partir das 14h, no Auditório do IHGM, localizado na Rua de Santa Rita, 230, Centro, próximo às Lojas Americanas.


O evento contará ainda com a participação especial do 9º neto de Jerônimo de Albuquerque, Paulo de Albuquerque Maranhão. Também haverá a inauguração do acervo do professor José Caldeira e o relançamento do livro Dois estudos: Os discursos de Japi-Açu e Momboré-Uaçu e Vadiagem no Maranhão, 1800 – 1850, obra também do professor José Caldeira.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Feliz Aniversário Presidente !




O IHGM felicita o seu presidente, professor Euges Lima, pela passagem do seu aniversário no dia de hoje (23). Muita saúde, felicidades, sucesso e prosperidade. São os votos da diretoria, sócios, parceiros e colaboradores.